Subir a Página

X

Fale Conosco:

Aguarde, enviando contato!

Parabéns pela decisão!

Você está prestes a iniciar sua participação na nossa Lista de Conteúdos VIPS e passar a receber todo nosso conteúdo!

Não se preocupe, nosso site é  100% seguro e também odiamos SPAM!

FECHAR

Pronto NOME!

FECHAR

Jairo Teixeira - Matemática e Raciocínio Lógico para Concurso Público

Jairo Teixeira - Matemática e Raciocínio Lógico para Concurso Público

Você sabe quando a partícula POIS indica condição suficiente e quando indica condição necessária?

Neste artigo você aprenderá a reconhecer quando o POIS representa uma causa e quando ele representa uma consequência.

Por Jairo Teixeira dia em Operadores Lógicos

Você sabe quando a partícula POIS indica condição suficiente e quando indica condição necessária?
  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp

Olá, gente querida!

 

Um detalhe importante, que de vez em quando está aparecendo em provas públicas (principalmente CESPE/UnB), é o emprego do “pois” numa estrutura de condicional. Cuidado para você não achar que esta partícula substituirá sempre o “se”, ou seja, cuidado para não achar que aquilo que vem no “pois” será sempre a condição suficiente. Neste artigo você aprenderá que, dependendo da estrutura, quem está no “pois” pode ser a condição suficiente ou pode ser a condição necessária. Se preferir uma linguagem mais simples, nem sempre o que está no “pois” será o “se”! Às vezes será o então! Raciocina comigo!

 

Vamos ver cada uma das duas possibilidades:

 

1ª) Quando o “pois” será “se”.

 

Observe a proposição: “Não vou à praia, pois chove”. Agora procure entender o que esta estrutura quer comunicar... Ora, que “Se chove, então não vou à praia”! Veja que a proposição que estava no “pois” (no caso a proposição “Chove”) é o antecedente do condicional, ou seja, ficará no “se”. E, assim, é a condição suficiente! É a causa de eu não ir à praia!

Veja um outro exemplo: “Ricardo não será aprovado, pois não estudou”. Qual o significado desta proposição? Ora, que “Se Ricardo não estudo, então não será aprovado”. Mais uma vez confira que a proposição que estava com o “pois” (neste caso era a proposição “Ricardo não estudou”) ficou com o “se”, ou seja, foi o antecedente do condicional. É a causa de Ricardo não ser aprovado. Compreendeu?

 

2ª) Quando o “pois” será “então”.

 

Agora analise esta proposição: “João não fez a tarefa. Seu pai aplicou-lhe, pois, um castigo.” Da mesma forma, procure entender o que esta proposição quer transmitir... Que “Se João não fez a tarefa, então seu pai aplico-lhe um castigo”. Perceba que, desta vez, a proposição que acompanhava o “pois” (“seu pai aplicou-lhe um castigo) era, na verdade, o consequente do condicional, ou seja, ficou com o “então”. É a consequência de João não ter estudado.

 

Veja como isto foi cobrado recentemente em uma prova pública:

 

 

Texto CB1A5AAA – Proposição P

 

      A empresa alegou ter pago suas obrigações previdenciárias, mas não apresentou os comprovantes de pagamento; o juiz julgou, pois, procedente a ação movida pelo ex-empregado. 

 

(CESPE/UnB – 2017) Assinale a opção que apresenta uma proposição equivalente, sob o ponto de vista da lógica sentencial, à proposição P do texto CB1A5AAA. 

a)   A empresa alegou ter pago suas obrigações previdenciárias, mas não apresentou os comprovantes de pagamento, ou o juiz julgou procedente a ação movida pelo ex-empregado.

b)   Se o juiz julgou procedente a ação movida pelo ex-empregado, então a empresa alegou ter pago suas obrigações previdenciárias, mas não apresentou os comprovantes de pagamento.

c)   Se a empresa alegou ter pago suas obrigações previdenciárias, mas não apresentou os comprovantes de pagamento, então o juiz julgou procedente a ação movida pelo ex-empregado.

d)   A empresa alegou ter pago suas obrigações previdenciárias, mas não apresentou os comprovantes de pagamento, mas o juiz julgou procedente a ação movida pelo ex-empregado.

 

Solução:

A proposição “A empresa alegou ter pago suas obrigações previdenciárias, mas não apresentou os comprovantes de pagamento; o juiz julgou, pois, procedente a ação movida pelo ex-empregado” significa que “Se a empresa alegou ter pago suas obrigações previdenciárias, mas não apresentou os comprovantes de pagamento, então o juiz julgou procedente a ação movida pelo ex-empregado”. Trata-se de um caso em que o “pois” está na condição necessária, ou seja, no lado do “então”. O julgamento procedente da ação é uma consequência de a empresa ter alegado ter pago suas obrigações previdenciárias, mas não ter apresentado os comprovantes de pagamento. E a resposta está na alternativa c.

 

Um grande abraço e bons estudos!

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp

Deixe seu comentário aqui:

Olá, deixe seu comentário para Você sabe quando a partícula POIS indica condição suficiente e quando indica condição necessária?

Enviando Comentário Fechar :/